segunda-feira, 24 de maio de 2010

Pai e filho














Sua razão de vida retirada,
Seu pequeno afastado,
E uma grande comoção,
Há tempos não chorava.

Paralisada nas letras,
Divorcio a liberdade de interferência,
Repugno a farsa da razão,
Não aceito a severidade sem coração.

O bem não pode ser dado com o sofrimento alheio,
A racionalidade e bons costumes não se mantêm,
Distanciados das experiências e convivência.

A separação assassina o desenvolvimento,
Atrapalha a história, a defesa, a união.
Os seres mortos se descenderam.

Veronica dos santos ribeiro

Um comentário:

  1. Linda poesia...Vejo que falas com o coração...Parabéns...Adorei!

    ResponderExcluir